ALERTA DO TRUDA SOBRE ABROLHOS!!! ALÔ GALERA, SE LIGUEM!

Repasso aqui o ALERTA sério do Truda, para todos ambientalistas e ativistas do meio ambiente!

Vamos brigar por Abrolhos!

Prezados/as,

Como deve ser do conhecimento de grande parte de vocês, o ICMBio está em processo de Consulta Pública para a Ampliação do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos e criação de outras Unidades de Conservação no Banco dos Abrolhos, incluindo uma grande Área de Proteção Ambiental, um Refúgio de Vida Silvestre para as Baleias Jubarte e uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável na Foz do Rio Doce. Um mapa das áreas propostas segue em anexo, e um folder do ICMBio sobre as propostas pode ser baixado em http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/o-que-fazemos/Folder_Consultas_Publicas_%20Abrolhos.pdf .

Surpreendentemente, quando parece que enfim alguma coisa vai se conseguir para ampliar a conservação e gestão adequada dessa região de biodiversidade inestimável, surgem alguns “acadêmicos iluminados” fazendo campanha contra, alegando um suposto “pobrema sossiáu” que poderia ser causado pelas novas UCs. Como sempre, ao invés de se combater a pesca indistrial predatória, o avanço do petróleo offshore sobre áreas sensíveis, a especulação imobiliária e carcinicultura predatória no litoral, etc. etc., tenta-se empatar as ações de conservação, por ser mais conveniente – é o lado SEMPRE mais fraco da gestão, apesar de se saber que a conservação adequada de Abrolhos pode gerar mais emprego e renda para a região de maneira sustentável.

Achei extremamente importante partilhar com vocês a mensagem abaixo, porque deixa claro a MENTIRA DESLAVADA que embasa essa campanha contra a conservação. A pesca verdadeiramente artesanal não sofrerá o impacto alegado. E, onde haverá impacto, é na minha opinião absolutamente essencial para a conservação de Abrolhos, e beneficiará o conjunto da região para a pesca, como acontece no mundo inteiro onde se estabeleceram áreas de exclusão.

Quem ainda não se manifestou a favor da ampliação do Parque de Abrolhos e criação das demais UCs pode (e deve!) fazê-lo junto ao ICMBio pelo email consultapublica@icmbio.gov.br . Vamos lá, pessoal, é uma oportunidade única para contribuirmos efetivamente para a conservação de Abrolhos!

Abrz.,

JTruda

 

De: isabelacurado@gmail.com [mailto:isabelacurado@gmail.com] Em nome de Isabela Curado
Enviada em: sexta-feira, 4 de maio de 2012 09:04
Assunto: Re: RES: Processo de consultas públicas das UCs de Abrolhos

Caros

 Infelizmente não poderei estar com voces hoje, mas gostaria de partilhar algumas informações que poderão auxiliar na discussão sobre quem são os pescadores tradicionais de parte dessa área.
PAra aqueles que não me conhecem, sou professora da Fundação Getulio Vargas, Escola de Administração de Empresas de São Paulo e venho pesquisando as caracteristicas socio-economicas dos pescadores do Banco de Abrolhos desde 2005 (Projeto do FNMA, Programa MMAS – CI, Diagnostico censitário de Canavieiras, mapeamento da cadeia de valor para a SOS Mata Atlantica, etc).
Nesses 7 anos, coordenei duas pesquisas que entrevistaram mais de 2.000 unidades familiares (682, por amostragem em todos as comunidades de pescadores TRADICIONAIS entre a RESEX Corumbau e Nova Viçosa e um levantamento censitário com 1.224 famílias que pescam na área da RESEX Canavieiras – Canavieiras e Belmonte). Por levantamentos informais com pescadores dos outros municípios baianos, os hábitos de pesca são muito parecidos. Infelizmente não posso emitir nenhuma opinião sobre os pescadores do ES.

Nas discussões sobre as novas UCs várias falas tem levantado a questão dos pescadores, porem, ao olhar o perimetro e comparar com os habitos de pesca, podemos verificar que, do ponto de vista pratico, com exceção da REVIS (parcialmente) e da ampliação do PARNAM nos recifes dos Timbebas, o cotidiano da pesca, para a grande maioria dos pescadores, não será afetado.

 Alguns dados para subsidiar as minhas afirmações (Abrolhos e Canavieiras):

* 69% dos pescadores de Abrolhos e 60% dos pescadores de Canavieiras vão e voltam no mesmo dia, ou seja, a pesca ocorre próximo da costa

* Metade dos pescadores de Abrolhos tem barco e 77% pesca com companheiro.

* O tipo principal de embarcação, em Abrollhos, é barco a motor (66%), pequeno (60% motor B11, B18 e MWM).

* 14,5% dos pescadores de Canavieiras e 9% dos de Abrolhos passam mais de 10 dias no mar (pesca mais distante da costa)

 Esses dados evidenciam a predominância de uma pesca muito tradicional, de pequena escala, que ocorre muito próximo da costa.
Existe uma percepção de que uma parte dos pescadores tradicionais do ES, especialmente de Conceição da Barra, ficam vários dias no mar (em embarcações pequenas, 2 a 5 pescadores por barco). Se a REVIS permitir a pesca tradicional no seu decreto (considerações do Baguinha, em outra discussão), esses pescadores e os pescadores e Abrolhos que pescam na área da REVIS não sofreriam restrições de pesca.

Acho fundamental um esforço amplo e concentrado de divulgação, nas diversas comunidades e sugiro

Espero ter contribuído para a conversa de hoje! Envio em anexo uma tabela resumo (1p) da pesquisa realizada em Abrolhos.

Abs

Isabela

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Add a Facebook Comment

Deixe uma resposta