Você sabia que Humanizar seu animal é nocivo?

Amigos,

Diante dos vários absurdos com os quais me deparo diariamente, resolvi escrever esse texto para vocês.

Você sabia que quando humaniza seu animal você está promovendo um mal a ele?

Explico… animais são animais, humanos são humanos! Que redundância, mas parece que alguns tutores ainda não compreenderam essa diferença, que em primeira mão, nos parece tão simples!

Existe um conceito da zoologia chamado ETOLOGIA (do grego ethos, “ser” ou “personalidade”, logia, “estudo”) é a disciplina que estuda o comportamento animal. Conceito criado pelos estudos de Konrad Lorenz e Niko Tinbergen, influenciados pela Teoria da Evolução de Darwin, tendo como uma de suas preocupações básicas a evolução do comportamento através do processo de seleção natural.

Cada grupo de animais, subdividido em tipos, raças, influenciados regionalmente, possuí sua própria etologia, ou seja, seu conjunto de padrões de comportamento e mesmo peculiaridades anatômicas. Um bom exemplo são os cães que possuem pelagem espessa e comprida. Em seu desenvolvimento, se adaptaram para viver em regiões frias, sua etologia (quase uma programação interna) é de animais que vivem no frio.

Existem por exemplo, cães de pastoreio. Em sua etologia, graças a seu porte físico, suas características próprias necessita de espaço, precisa correr, desgastar a energia que possuí e mais, precisa ser útil! Daí, seu tutor, sem saber dessas características próprias, abriga um animal com esse perfil dentro de um apartamento, sem espaço… conclusão: Um animal infeliz, com desvios de comportamento e que pode até vir a se tornar violento e anti-social.

Mas o papo aqui é HUMANIZAÇÂO. A meu ver, essa prática acaba sendo até pior do que apenas desrespeitar a etologia de cada animal. Animais QUEREM ser animais e tutores não podem confundir amor e afeto com humanização.

Animais entendem linguagem corporal. Tudo na natureza se manifesta quase que em sua totalidade de forma postural. Plantas crescem em direção aos raios de sol, lobos se mordem para mostrar afeto, animais se camuflam para caçar ou para defesa… E a natureza é PERFEITA. Por que então nós humanos queremos mudar a natureza de nossos tutelados? E pior, acharmos que estamos promovendo algo de positivo com isso?

Como eu disse mais acima, animais querem ser animais, e PRECISAM disso para serem realmente felizes. Quando um tutor diz uma palavra e o animal parece “compreender” na verdade ele está adestrado para aquela ação…não compreende NADA! Então, por mais que digamos as palavras mais carinhosas como “tchuco-tchuco”, “amorzinho”, “filho do papai”, ele na verdade está entendendo exatamente o que entendemos quando um deles diz “au-au”…ou seja, NADA! Assim como nós analisamos a postura animal para compreender suas reações, eles também o fazem! Se o cão está com as orelhas viradas para frente é sinal de atenção (elas funcionam como um verdadeiro radar direcional), quando o rabo “abana” muito rapidamente é sinal de excitação e não propriamente de alegria…

Explicado meu ponto, vamos falar sobre o tema específico desse artigo. Acho um absurdo, talvez tão grave quanto maus tratos (pois não deixa de ser uma forma de maltratar), pessoas que humanizam seus animais, tirando dos mesmos suas características etológicas e causando um verdadeiro surto psicológico nesses animais.

Festas de aniversário para animais, com chapeuzinho, bolinhas, bolo, etc… o animal não entende NADA disso, sequer considera uma manifestação de carinho e afeto de seu tutor. Ele não entende NADA disso. A festa na verdade é para o tutor, e se assim o é, onde está a posse responsável?

Fantasiar o animal (animal usa roupa?) em época de carnaval, levar o animal para blocos, expô-los a situação de estresse, música alta de carros de som, tocando SAMBA a todo vapor, quando animais possuem audição extremamente superior e aguçada que a de humanos? E vejo tutores todos felizes, mostrando a fotinho de seus tutelados fantasiados em meio a essa agressão a natureza do animal!

Sempre digo que o melhor caminho para entender as necessidades de seu tutelado é colocar-se em situação inversa. Eu  pergunto, você como ser humano, gostaria de ser retirado de sua casa, ser jogado no meio do mato, sem ter o que comer, sem ter roupas para se proteger (nem pensando em vergonhas, mas em proteção mesmo), sem sapatos para enfrentar um terreno selvagem, exposto a temperaturas incompatíveis a seres humanos…com sede???

Uma das maiores punições ao ser humano é a prisão. É da etologia do ser humano ser livre, poder ir e vir (um dos maiores direitos garantidos em quase todos os sistemas legais do planeta) e por isso ela apavora tanto, é usada como forma de punição aos humanos! Então por que fazemos exatamente a mesma coisa, com seres como pássaros, que nasceram para voar, que tem em sua etologia essa característica? Já vi Calopsitas com roupa, aliás, já vi reportagem de grife de roupas para esses pássaros. Isso é um absurdo sem tamanho, e tem quem se diga defensor de animais que acha isso “bonitinho”!

Animais não nascem com unhas para serem pintadas de esmalte, não nasceram para serem vestido com roupas que remetem a vida humana (salvo aquelas roupinhas de frio, pois é um benefício aos animais), não nasceram para comer comida de humanos, não curtem festas de feitas para seus aniversários, casamentos, carnaval, natal, etc… Humanizar seu animal é maltratar seu animal. Você acha bonitinho, saí satisfeito, mas promove um mal a esse, que você diz amar como um filho!!!

Vamos ser mais responsáveis, vamos tratar nossos animais com amor, mas amor de forma que eles compreendam, com afeto, mesmo gostando deles como filhos, e por isso mesmo respeitando suas características particulares… e deixando que sejam felizes como animais.

Abaixo essas festas humanas, que em NADA acrescentam aos animais! O Carnaval está chegando, não promova maus tratos a seu queridão… não o fantasie. Se for para o bloco de carnaval (diversão humana) deixe seu tutelado em casa… com muita água fresca e ração gostosa!

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Add a Facebook Comment

Deixe uma resposta