Carteirinha de identidade para Cães – Que tal a idéia?

Então pessoal,

Como muitos já sabem, estou vivendo um drama pessoal por conta do Pit Bull Constantine. Primeiro pela dificuldade que temos encontrado no Rio de Janeiro para adoções e Lares temporários, tudo isso por conta da falta de políticas públicas para animais em nosso Estado e mais particularmente no Município do Rio de Janeiro… depois tem a questão da ignorância das pessoas em confundir raças “Poderosas” com cães anti-sociais… assuntos completamente diferentes,

Então, como minha cabeça sempre pensou melhor em momentos de crise, surgiu uma idéia, e queria a opinião de vocês…

Sabemos que a falta dessas políticas públicas para animais gera abandono, venda indiscriminada, populações de rua gigantescas e casos de maus tratos e abusos. Daí me surgiu uma idéia, que depende do implemento de várias outras, mas nada impossível!

Imaginem uma Lei em que fosse obrigatório o cadastramento de todos os cães de um Município… explico:

A criação de uma “carteira” de identidade canina (no caso dos gatos eu acho que seria bem mais complicado)…

Tá mas e daí?

Quando se compra um carro, não é necessário ter documento? Para provar que você existe, não precisa ter também documentos? Tudo o que compramos não tem nota fiscal???

A idéia não é diferente das de chiparmos animais, mas muito mais barata e passível de ser implantada.

Nessa carteirinha viriam os seguintes dados:

1- Nome do Animal

2- Proprietário

3- descrição (Raça ou SRD, cor, idade presumida no cadastramento, endereço, castrado (sim ou não), etc)

O cadastramento poderia ser feito via internet, ou ainda via postos espalhados no município (os de castração da prefeitura) ou na própria prefeitura.

Você pode me perguntar… tá, mas e daí de novo?

Algumas regras deveriam fazer parte dessa Lei. A primeira e mais importante seria a proibição da comercialização de animais fora de canis regularizados, impondo multas e punições mais efetivas para esses comerciantes inescrupulosos da vida… essas fábricas de filhotes que encontramos espalhadas pelas cidades. Claro que Petshops (desde que regularizadas e com todas as regras para o bem estar dos animais) poderiam vender, desde que com proveniência do animal.

Aqui faço uma ressalva de que, querer impedir a venda de animais seria o ideal, mas uma utopia que não se realizará… então, busquemos a melhor das soluções!

A segunda providência seria a necessidade de castração OBRIGATÓRIA dos Animais… ou seja, se você não é criador LEGALIZADO, para que quer um cão “inteiro”?

Seria dado um prazo de 3 meses à partir do cadastramento do animal adulto para sua castração e de 1 ano para filhotes. E após a castração, o animal obrigatóriamente deveria ser recadastrado.

Abrigos e protetores autônomos teriam uma licença que os permitiria terem animais em condições diferentes, mas também deveriam cadastrar esses animais num cadastro genérico do Abrigo/protetor.

A pessoa que fosse flagrada (na rua ou em sua residência) com um animal sem cadastro, ou em condições diferentes do que manda essa lei, estariam sujeitos a uma multa que fosse efetiva…

Junte as peças agora… teríamos o fim do comércio clandestino de cães, a diminuição da população de rua (por causa das castrações), um maior controle contra o abandono e a possibilidade de mensurar políticas públicas baseadas no conhecimento do plantel de um município.

Claro que a idéia precisa ser aprimorada, estudada, que possúi falhas como a questão da castração (muitos não tem recusrsos e as gratuitas estão mais difíceis que agulha em palheiro) e que críticas surgirão… mas eu vejo como uma possibilidade, como um caminho… E você?

 

 

COMPLEMENTANDO DENÚNCIA GRAVE NO RJ (MORTE DE CADELINHA) E SOBRE O DESCASO DA LEI CONTRA ANIMAIS

Então pessoal, eu prometí que quando estivesse com os documentos nas mãos eu divulgaria melhor o caso, bem como onde esse erro teria acontecido.

Para quem não lembra do POST, basta clicar AQUI

Mas a amiga Rachel Moreira acabou antecipando e publicando no Facebook. Reproduzo aqui o relato!

Para tirar qualquer dúvida que meus amigos tenham:

 

O que aconteceu foi que EU marquei castração no posto de atendimento veterinário da prefeitura, unidade engenho de dentro. É uma clínica que um vereador construiu e cedeu/doou para a prefeitura fazer o atendimento de animais nessa região. Liguei, marquei e td que me foi dito foi: o animal tem que ter até 20kg, no máximo 6 anos, não estar grávida, no cio, nem amamentando, jejum de 12 horas de água e comida, dar banho na véspera do procedimento. Marcado para dia 8/11 às 13h, estava pedindo a Izabella Coelho, que me acompanhasse quando me lembrei que teria um compromisso no mesmo dia e que me tomaria a tarde toda. Visto que não é fácil conseguir vaga para castração gratuita, ofereci as meninas que me ajudam a cuidar da Vitória se alguém queria ir no meu lugar. A Ana Elisa Sanches, mostrou interesse em castrar uma de suas cadelas e feito isso, passei todos os dados acima por escrito para que ela cumprisse à risca td que me foi passado. No dia, ela e o marido levaram a Xuxa, cadela em questão, para castrar no tal posto. Entregaram a cadela para a cirurgia saudável, aos olhos leigos, já que não é feito NENHUM exame pré-operatório.

Feita a cirurgia, entregaram a eles uma animal completamente desacordado, com o curativo e um papel (receita) onde tem escrito apenas CADELA (sem nada que individualize o animal, nome, raça, cor, NADA) e as quantidades de medicação preenchidas a mão nas lacunas próprias. No mais diz quando iniciar a medicação e quando retirar os pontos. A medicação prescrita já é impressa na receita, sobrando ao veterinário (?) apenas preencher a dosagem. Foi prescrito enrofloxacina 50mg, 2 comprimidos, 1 vez ao dia, durante 7 dias e cetoprofeno gotas, 15 gotas, 1 vez ao dia, durante 3 dias, somente após a refeição, rifocina ou povidine ou merthiolate na ferida cirúrgica 2 vezes ao dia, por 10 dias.

Também está escrito para retornar imediatamente em caso de qualquer problema, ou procurar um médico veterinário da SEPDA através dos telefones da ouvidoria, mas lembrando que não há atendimento nem plantão nos fins de semana e feriados.

Conforme prescrito, a medicação foi iniciada no dia 9/11 e administrada corretamente. No dia 12/11 pela manhã houve o 1º atendimento veterinário já que ela estava vomitando MUITO sangue. De acordo com o laudo do vet que atendeu, hemorragia digestiva e foi prescrito medicação anti-hemorrágica que foi feita. No dia 13/11 a noite a cadela estava com as mucosas esbranquiçadas e apática. Levamos a outra clínica pois precisava que hovesse plantão, mediante dia e hora. A veterinária que atendeu, após ler todo o histórico e ver as fotos, fez diversas medicações e disse que ia tentar, mas que o quadro dela era muito grave, pois havia perdido muito sangue. A cadela ficou internada, mas em 1 hora acabou morrendo. De acordo com o laudo dessa veterinária, houve “ingestão de medicações em altas concentrações” e no fim diz que “suspeita que devido a altas concentrações de medicações prescritas, possa ter havido formação de úlcera péptica e possível rompimento deste”, ressaltando que a cadela pesava 8kg.

Em nosso entender há a possibilidade de erro na prescrição sim, mas tb pode ter havido a troca de receitas com outro animal, uma vez que nada especifíca a quem se destina. O fato de não haver um plantão da prefeitura para atendimento de emergência, ao menos nos animais operados por eles, é no mínimo uma falta de comprometimento com o serviço prestado. Qualquer um que veja o receituário vai achar de um descaso absurdo a forma como é feito, já que nem carimbo e assinatura de veterinário responsável tem. Esse é o atendimento digno que a prefeitura presta ao contribuinte.

Desde já, MUITO OBRIGADA POR TUDO, FABIANO JACOB!!!

Então amigos, muito cuidado… quando a ESMOLA é demais, o santo deve sempre desconfiar. Levando seu cão para um desses serviços gratuitos, DESCONFIE SEMPRE!

 

 

 

CONHEÇAM CONSTANTINE (ADOÇÃO URGENTE)

Pessoal, esse belo PIT BULL com menos de 1 anos estava no Grupamento do Corpo de Bombeiros do Grajaú, a ponto de ser levado para a Suipa.

Ficamos desde ontem de madrugada tentando um Lar Temporário, ou uma adoção responsável para esse maravilhoso animal. Como o prazo se esgotou, não teve outra solução…tive que trazer para a minha casa.

Como a maioria dos leitores sabe, além dos 8 cães que tenho na família (6 pequenos e 2 grandes) ainda tenho meus galinhos Garnizés, galinhas, coelho e codornas…

Qual foi a solução? Tive que colocá-lo sozinho no canil principal e com a portinhola fechada todo o tempo… Não por ele, que é SUPER SOCIÁVEL, mas pelos meus “pentelinhos” que são muito ciumentos e poderiam provocar um “incidente”…

Assim sendo, peço a ajuda dos amigos para encontrar um Lar Temporário mais adequado ao Constantine, ou mesmo uma adoção.

Garanto que o adotante vai ter um AMIGÃO pelo resto da vida. Esse Pit é uma vítima. Ao que parece ele teve as cordas vocais removidas, já que não late, apenas emitindo gunhidos.

FICHA TÉCNICA DO ANIMAL

Pit Bull de nome provisório CONSTANTINE

idade: Não mais que 1 ano de idade.

Tempreamento: Muito dócil com humanos

Cor: Branco neve no peito e na cabeça, com orelhas e o restante do dorso de cor graphite.

Padrão da raça, perfeito, sem sequer uma falha na pelagem. Em ótimas condições de saúde, sem feridas ou alergias. Dentição perfeita e muito bem fisicamente.

Você poderá ver fotos e vídeos logo abaixo.

Por favor, me ajudem a ajudar o CONSTANTINE.

 

DENÚNCIA GRAVE NO RJ (MORTE DE CADELINHA) E SOBRE O DESCASO DA LEI CONTRA ANIMAIS

Pessoal,

 

Estou com um caso muito sério e GRAVE e faço questão de que TODOS que se preocupam e amam animais no Brasil leiam esse post.

Não vou comentar “AINDA” o nome da instituição que cometeu essa barbaridade, pelo simples fato de que a denunciante ainda não me entregou o laudo veterinãrio do caso, mas prometo escrever em letras GARRAFAIS o nome deles, assim que estiver com esse documento em mãos.

Fato é que, na semana retrasada, uma protetora aqui do RJ, tendo conseguido marcar a castração GRATUITA oferecida por esse órgão aqui no RJ, e pela impossibilidade de comparecer, repassou sua marcação para uma amiga, que imediatamente levou a cadela para a operação.

Por PURA IMPERÍCIA, o profissional veterinário dessa instituição não pesou o animal e, existe a disconfiança da tutora de que a dosagem tenha sido dada de forma muito superior ao peso do animal. Essa hipótese se baseia no fato de que a cadela foi operada por volta das 13:00h da tarde, mas só despertou às 3:00 da manhã. Quero esclarecer que esse fato não configura propriamente as suspeitas da tutora, já que animais são seres biológicos, com características próprias e que cada indivíduo reage de uma forma a medicação…MAS…..

Conforme laudo médico veterinário, comparado e baseado na “receita” (muito mais um papél de embrulhar pão) entregue a tutora com as dosagens da medicação pós-operatória, comprovou-se a perfuração de úlcera peptica que levou a hemorragias internas, com a cadela vindo a falecer com menos de 24h apresentando choque e sangramento pelas cavidades.

Fato é que a medicação indicada a cadela seria superior ao dobro do peso da mesma, isso tudo pela IMPERÍCIA do profissional Veterinário.

Mas e daí… vamos registrar a ocorrência? Pedir a responsabilização criminal desse “profissional”?

NÃO! NÃO VAMOS!

Meu leitor pode estar se perguntando se fiquei louco, ou se perdí a fibra…Nada disso… é apenas o que canso de comentar, e poucas vezes sou escutado…

Animais não podem ser vistos pela Lei como mercadorias ou objetos

A GRANDE SOLUÇÃO PARA O DESCASO COM ANIMAIS EM NOSSO PAÍS SE DEVE AO FATO DE SEREM CONSIDERADOS PELA LEI COMO OBJETOS, BENS E NÃO COMO VIDAS!

Vou explicar esse caso sem muito “direitês” (linguagem técnica do direito), para que o leitor leigo possa acompanhar.

Pois bem, como ANIMAIS são “objetos” aos olhos da Lei o caso aqui tipificado como IMPERÍCIA (que é o ato de despreparo do agente em exercer determinada função onde conhecimentos técnicos são indispensáveis para o sucesso da atividade ou profissão, sendo ele um profissional habilitado) não é abraçado pela Legislação como crime.

Trocando em miúdos, o registro de ocorrência poderia até ser feito, mas a autoridade policial, no uso de suas atribuições e deveres, teria que despachar o caso como FATO ATÍPICO NA ESFERA CRIMINAL, tornando qualquer tipo de procedimento legal criminal nulo.

Por que do Fato Atípico? Pois a IMPERÍCIA não pode ser qualificada como Maus tratos, que estariam contemplados no art. 32  da Lei 9605/98 e, como animais são meros “objetos” aos olhos de nossa Lei, a esfera correta de atuação seria a esfera Cívil, visando uma compensação financeira pela perda do “bem”.

Mas qual o valor de um amigo, filho animal? Para mim é inestimável!!! Não tem valor.

O que podemos fazer?

1- Lutar para modificarmos nossa Lei, para que nossos animais finalmente sejam considerados por esse mesmo sitema Legal como Vidas e não mais como bens!

2- Divulgar o descaso dessa instituição, que em princípio deveria promover e defender nossos animais e que, ao prestar

Animais não são de plástico mas de carne, osso, eles sangram e tem vida!

um serviço deficiente e mal organizado, ainda mata nossos animais.

3- processar civilmente SIM, não pelo valor financeiro (como disse, é inestimável) mas para mostrar que não aceitamos esse tipo de conduta, que queremos respeito e cuidados para nossos animais… e para tentar evitar que casos como esses não se tornem “lugar comum”, principalmente praticados por órgãos governamentais.

Então já sabem… se um Veterinário ERRAR com seu animal, não adianta querer processar criminalmente, afinal seu animal, para nossa Lei, não é NADA diferente de um celular, uma televisão ou mesmo uma tampa de privada!

 

Assim que estiver com toda a documentação sobre esse caso, vou botar minha boca no mundo!

POLITICAS PÚBLICAS VERDADEIRAS PARA ANIMAIS JÁ!!!!!

 

 

Novidades sobre o caso da Égua de Pinheiral

Pessoal,

Hoje estive na DPMA para resolver uns casos, entre eles o registro do caso Picachu de Niterói e me informar sobre o caso da Égua de Pinheiral.

Falando com o Dr. Fábio Pacífico, Delpol Titular dessa especializada, fui informado que, o prazo de inquérito está correndo conforme o normal, que as imagens do DVD apreendido dessa execução hedionda forma analisadas e, o autor do fato está sendo intimado a depor na Delegacia, apenas por razões de procedimento legal. Mas que o caso irá ser encaminhado ao Ministério Público, com a devida observação da autoridade policial para denúncia junto ao Judiciário (JECRIM) que é quem tem a competência para aplicação da Pena ao criminoso.

Como eu comento regularmente, infelizmente nosso sistema legal não produz penas efetivas quando se trata de casos com animais, mas o fato da polícia agir de forma incontestavelmente competente, do autor do fato ser exonerado e da cara dele estar exposta na INTERNET, não é a melhor das punições, mas já nos deixa mais tranquilos…

Se a justiça não nos permite punir esses criminosos da forma que nos deixaria satisfeitos, que ao menos tenhamos a possibilidade de saber que esse cara está marcado por muito tempo… Aliás, vamos ficar de olho nele, para impedir que esse monstro assuma qualquer cargo no poder público pelo resto de sua infeliz vida!

Estou com o Scanner aqui de casa desinstalado, mas o R.O é basicamente igual ao texto da apreensão que se encontra no Post próprio em http://www.fabianojacob.com.br/2011/11/sobre-o-crime-contra-o-cavalo-de-pinheiral/

 

 

 

 

Nossa avó mais velha

Pessoal,

Hoje eu trago para vocês um texto que escreví em 2005, mas que infelizmente continua MUITO atual… Espero que gostem!

 

Nossa avó mais velha

 

Resolveu fugir da cidade grande.
Arrumou as malas com o estritamente necessário para sua jornada, tudo posto dentro de um saco (daqueles de campanha).

Afinal, tinha direito a umas férias. A barraca de camping na mala do carro, algumas provisões, vara de pescar… não podia esquecer as botas de cano alto, afinal, ia para o meio do mato e lá tinham cobras e outros animais peçonhentos.

Ao entrar no carro, sentia como se faltasse algo, mas não conseguia lembrar o que. Partiu em direção ao seu destino… A Floresta.

No caminho lembrava-se das instruções que sempre recebia de sua avó quando saia em suas excursões nos tempos da juventude:

Limpe o que sujar, respeite a Natureza. Se retirar uma pedra para examinar, ponha de volta com cuidado no mesmo local. Se encontrar ovos de pássaro, recoloque no ninho, mas sem tocá-los diretamente. Observe a Natureza, seus lagos, árvores, animais… temos muito a aprender.

Perdido em seus pensamentos ele relembrava como era sábia a antiga geração. Como nossos avós nos ensinavam de forma pura e simples a viver plenamente.

Freou o carro bruscamente, dando graças aos Deuses por ter conseguido parar a tempo de evitar o atropelamento e por não ter nenhum outro carro atrás do seu, o que provocaria um grande acidente.

Era um cão de rua. Mais um dos animais que, por culpa de seus donos, são comprados por capricho e depois abandonados nas ruas, famintos, lutando para sobreviver diariamente e procriando por extinto, gerando mais animais abandonados. O cão deu um olhar amedrontado, mas agradecido e disparou para longe da estrada.

Ele passou por um caminhão. Símbolo da degradação da Natureza. Carregado de toras de madeira nobre, sabe-se lá de onde retirada, a que preço. O Caminhão vomitava lufadas de fumaça negra demonstrando estar mal regulado. Ele pisou fundo no acelerador e ultrapassou o caminhão, deixando-o bem para trás, até que sumiu no espelho retrovisor. Mas a imagem… Por mais que quisesse não conseguia livrar-se da imagem.

Começou a divagar em seus pensamentos até chegar ao seu destino.

A Floresta. Preservada, quase sem o toque do homem.Montou seu acampamento.. ainda era dia e à tarde mal começara. Resolveu dar um passeio pela floresta fechada. Calçou as botas de cano alto, as luvas e adentrou a mata.

Quanto mais entrava na floresta fechada, mais ouvia o som de água correndo. Seguiu o som até encontrar um belo córrego que, represado formava um maravilhoso lago de águas tão verdes que chegavam a ser fosforescentes.

Sentou-se à beira do córrego e começou a acompanhar as águas que seguiam num rumo certo, até perdê-las de vista. Lembrou-se que os mares eram formados exatamente de pequenos córregos que se uniam formando os grandes rios e que, por sua vez, desembocavam nos Mares. Pensou como a água era límpida…

Foi aí que entrou numa espécie de transe, tornou-se a própria água, fez todo o seu caminho, desembocou no Mar, estava feliz, repleto de alegria quando encontrou a mancha negra.

Petróleo!

Sua limpidez tornou-se negra, pegajosa. Misturado àquela massa turva, continuou seu percurso, e no seu caminho começou a notar que matava.

Matou peixes, matou pássaros desavisados que sobrevivem da pesca, matou o plâncton que alimenta inúmeras formas de vida e que é uma forma de vida em si. Sujou praias, areia …. Foi então que chorou!

Chorou pelos animais, pela água, pela estupidez gananciosa dos seres humanos. Chorou por sua Avó. Não conseguia compreender como a ganância levava homens a continuar usando o óleo para mover suas máquinas, carros… Sabia que já existiam descobertas com mais de 20 anos, descobertas essas que possibilitavam a substituição desse meio de energia por outros menos poluentes, ou mesmo que em nada agrediam o planeta. Lembrou-se também do lixo tóxico despejado no útero da terra, lixo esse que se tornara um grande negócio. Era uma cadeia de vício.

Homem produzia, e com sua produção produzia o lixo. Outros homens ganhavam dinheiro livrando-se do lixo dos primeiros. Ganhavam fortunas e, mesmo que fossem multados por agredir a natureza, essa multa não correspondia a 1% dos lucros. Um grande negócio, avalizado por nossos legisladores e governantes.

Alçou vôo no corpo de um pássaro que passava sobre o mar. Viu-se capturado, sedado e vendido numa feirinha de animais silvestres. Foi levado para uma casa e abandonado em um viveiro, apenas sonhando com a liberdade.

Subitamente lembrou-se mais uma vez de sua Avó, como gostaria que esses homens tivessem conhecido a boa Avó.

Morreu!

Quando se deu conta, estava novamente sentado à beira do laguinho. Os pés descalços dentro d`água e as botas jogadas lá atrás.

Pensou na palavra BRUXO. Deu-se conta de que essa palavra denotava, ou deveria denotar um bom NETO. Que a preocupação com a natureza era inerente a todo ser humano, mas mais importante ainda para o BRUXO. Desejou que todo homem compreendesse essa palavra. Que nossos governante tornassem-se bons Netos, que os humanos, preocupados com a natureza tornassem-se bons Netos. Que os poluidores tornassem-se bons Netos.

Lembrou-se do que tinha esquecido no início de sua viagem…

A TERRA É A NOSSA AVÓ MAIS VELHA.


 

Resgate do Picatchu em Niterói e Ajuda para animais do local

Olá amigos,

Como muitos sabem, fomos acionados pela Viviane Dias para auxiliar no resgate de um cão, com aspécto muito maltratado em Niterói… e que também estava acompanhado de um Baset, também com aspécto sofrível (que infelizmente soubemos que faleceu de câncer na semana passada)…

 

 

Foto de hj, 15/11/2011

Pois bem, partimos hoje, eu e o querido irmão amigo Coronel PM Delvo Nicodemos (a quem só podemos agradecer por estar a nosso lado durante toda a ação, sofrendo de dores terríveis na coluna) para o 12º BPM em Niterói.

Lá chegando as 11:00h, conforme combinado, encontramos o amigo Marcelo Pereira, assessor da Secretaria de meio Ambiente de Niterói e a proteora Viviane. Providenciamos a viatura, informamos a ocorrência e partimos para a residência onde os animais, supostamente se encontravam.

Ao chegarmos a residência, chamamos a proprietária, que nos atendeu com indignação pela denúncia… imediatamente identificamos que se tratava de uma COLECIONADORA de animais. Aquelas que, por emoção, solidão ou seja lá qual for a razão, acaba resgatando animais e acolhendo outros, sem o menor conhecimento de como tratá-los ou do mínimo necessário para o bem estar dos animais.

Nossa chegada a residência

Imediatamente a proprietária nos franqueou entrada a residência. Nos apresentou o animal, que realmente estava em estado sofrível. As condições do local também eram insalubres. A senhora nos mostrou que retirou o colchão de uma de suas camas, para dar para o animal, mas mas uma vez, essa boa ação não  diminuía as condições do local…

Local do abrigo do Picatchu

Imediatamente comecei a explicar as Leis para a tutora, assim como um trabalho de educação ambiental, informando a ela as mínimas condições para a comodidade e bem estar dos animais…Vacinas, Vermífugos, banho, tosa, corte de unhas, o perigo das Zoonoses, etc.

A senhora nos reclamou de animais abandonados em sua casa (cerca de 20 gatos e alguns cães) e na mesma hora, percebí a necessidade de ajudarmos essa senhora. Ela vai precisar de castrações, vacinas, remédios e instrução, até que possamos retirar todos os animais do local.

Ela nos pediu para cuidarmos de 3 cães que teriam sido jogados dentro de sua casa e que, estavam em situação sofrível também. Desnutridos e, pela falta de convívio com humanos, verdadeiros cães selvagens, que teriam inclusive a mordido…nos mostrando sua perna lesionada.

A matilha dos cães anti-sociais

Prometi a Senhora que cuidaríamos também desses animais. Nesse momento, solicitei ao Marcelo a compra de focinheira, já que os animais já tinha provocado mordedura.

Logo mais trazendo as focinheiras chegou a Soraya Ciuffo, protetora de Niterói que, com sua experiência e ATITUDE ANIMAL, partiu para laçar os animais junto comigo…

Depois de enfrentarmos uma “ferinha” que tinha lá dentro (um SRD gigante) e conseguirmos distraí-lo, conseguí encurralar o cãozinho mais anti-social de todos dentro de um quartinho no quintal e lacei o pescoço dele. Em seguida a Soraya também passou sua corda de resgate no cãozinho…e  amigos, tenho que confessar… Ele parecia a menininha do Exorcista!

Destruiu 2 focinheiras, literalmente se revirava no chão ( mesmo imobilizado), segurava as cordas com as 4 patinhas e emitia sons que, eu em vários anos de resgate, nunca tinha ouvido… um cão selvagem!

Cãozinho já imobilizado, mas lutando MUITO

Diante a luta do cãozinho, para preservá-lo e na impossibilidade sequer dele ser tratado ou mesmo anestesiado (devido a seu estado selvagem e sua debilidade de saúde), optamos em conjunto por promover a reabilitação, tanto física quanto comportamental do animal no próprio lugar, sob a supervisão do Marcelo e da Soraya.

Começava uma nova luta, liberar o cãozinho das cordas…isso após a destruição de 2 focinheiras.

Tive que me aproximar, usar algumas técnicas de “encantamento” (*risos) com o animal, que foi se acalmando…

Encantando o cãozinho

"Hipnotizado"

Finalmente, com ele calmo e deitado, só escutei o Marcelo dizer (estava de costas e não podia retirar os olhos do animal:  -“nunca ví um cão deitar assim nessa posição”! Consegui me sentar próximo a ele e, me aproximando aos poucos o livrei da corda de resgate.

Me aproximando... reparem na posição do cãozinho

Com a decisão de tratarmos da “matilha” no próprio local, partimos para os “finalmentes” quanto ao Picatchu… afinal, a tutora não queria deixar ele ter uma sobre-vida melhor, alegando que ele era dela desde filhote, que ele sentiria muito, etc.

Dentro de um trabalho quase “psicológico”, eu, o Marcelo e a Soraya, com a ajuda dos vizinhos locais, finalmente conseguimos convencê-la do melhor para o cãozinho…mas confeso que houve um momento em que achei que realmente fosse ter que proceder a delegacia de polícia.

Os 2 outros cães da matilha, que terão tratamento no local.

Conseguimos explicar a tutora a importância do tratamento do Picatchu, assim como nos comprometemos a cuidar dos demais animais, com ração, tratamento e posterior adoção. Na mesma hora fizemos a famosa “vaquinha” para a compra de ração premium para a “matilha” e ração para os gatos hospedados no local…

Finalmente embarcamos o Picatchu que, já está na Veterinária OCEÂNICA em Niterói, recebeu um banho, fez soro-terapia e amanhã fará todos os exames necessários para diagnose e a tomada de decisão da linha de tratamento do mesmo, não só do sério caso de desnutrição e Sarna, como também de qualquer outra moléstia identificada pelos veterinários.

Agora amigos, vamos precisar de MUITA ajuda. Não só para o Picatchu, que comoveu tantos protetores do brasil todo, mas também com os animais que ficaram para trás.

No caso do pequeno Picatchu, o tratamento ficará por conta da amiga Viviane (que aliás, junto com seu marido, formam um casal de ouro) e para doar para o tratamento, seguem os dados abaixo… ressalva para o fato de que a Viviane vai comprovar todos os gastos:

BANCO- Bradesco

Ag: 3122-4

cc.- 0205261-0

Viviane Dias Ennes – CPF 118.052.867-06

Quanto aos animais que ficaram, estão sob a supervisão do Marcelo Pereira e da Soraya Ciuffo… não possuo a conta dos mesmos, mas assim que me for passada, complemento o post…ou se você ainda não os têm como amigos no Facebook… já tá na hora né pessoal? As pessoas do BEM têm invariavelmente que se unir, já que só contamos conosco!

Doações de ração, castrações, vacinas, remédios…enfim, tudo aquilo que já conhecemos bem, quando se tratam das necessidades de abrigos e colecionadores!

Tenho a certeza que tanto o Marcelo quanto a Soraya também comprovarão todas as doações!

Se me esquecí de algo, peço desculpas ao Marcelo, Soray e Viviane…mas na hora, lembrar de tudo que acontece…ainda mais ficando velho como eu…é complicado!

No mais, fica o sentimento do dever cumprido e a manutenção do índice de 100% de sucesso nos resgates em que nos envolvemos. E que aquela energia que anima a todos nós, que possuí vários nomes e ao mesmo tempo é inefável, nos permita a continuarmos com saúde para ajudarmos sempre que necessário!

 

 

 

 

 

 

 

 

CQC Mostra a VERDADE do “representante” dos animais na Câmara do RJ

Então Galera,

 

Eu sou super fâ do CQC, não perco um programa…os caras são muito bons… e falam a VERDADE.

Abaixo, gostaria de convidâ-los a assistir um dos “espetáculos” mais indignantes, ridículos, vergonhosos, engraçados, TRISTES…afinal, um mix de emoções, que já pude assistir em toda a minha vida…

O mais triste? Trata-se do Nobre Vereador José Everaldo, que “se diz” o protetor dos Animais do Rio de Janeiro e que, muitos protetores têm defendido, apesar dele não ter feito NADA em favor de nossos bichos.

Eu quase fiquei com preguiça de destacar os pontos “altos” dessa entrevista (são tantos), mas em respeito ao meu leitor, fiz questão de alertar:

(1) V.J.E – Do que se trata o banho de mar à fantasia

CQC – Um banho de mar com pessoas fantasiadas;;;

V.J.E – Acertou!

(2) O Banho de mar de fantasia, ele vem acompanhado de uam série de ingredientes…por exemplo…

CQC – Água, Sal, Fantasia…

(3) V.J.E – Mas ele vai gerar empregos, os órgãos ambientais vão buscar solucionar os problemas da baia da Gunabara…

CQC- vereador, o Sr. está querendo solucionar o problema dapoluição na Baia da Guanabara jogando o pessoal fantasiado na Baia da guanabara… eu não tô entendendo essa lógica…

(4) CQC- O Sr. acha que algum turista vai ser atraido para a Ilha do Governador, para ver um bando de gente bêbada se jogando na água ´pçuída…o Sr. acha que isso é atração turística?

V.J.E- Claro que é!

CANSEI!!!!

Depois ele ainda contradiz a ONG Transparência Brasil, uma das mais respeitadas e sérias do País dizendo que existem muitas ONG´S que são verdadeiras lavanderias, Ong´s piratas (?)… e por que? Porque essa ONG publicou que 99,6% dos projetos de lei do NOBRE VEREADOR foram irrelevantes para a melhoria da população da Cidade do Rio de Janeiro… O pior é que a repórter pede para que ele comente o nome de 3  PL´s relevantes (apenas 3 dentre os mais de 200 PL´s desse Vereador) e ele responde: Prefiro não comentar!

Pessoal…esse é o cara que se diz à favor de nossos bichos…

A repórter termina muito providencialmente dizendo: “Fica de olho, porque no ano que vem, eles vão pedir o seu voto, hein!”

Assista agora a essa pantomima sofrível!