Holanda aprova lei que proíbe sacrifício de animais em rituais

Algum dia isso acontece aqui no Brasil também. Apesar de sermos um estado LAICO, existem alternativas já adotadas por vertentes religiosas que substituem os “jurásicos” sacrifícios animais!

(do G1)

Nova regra é alvo de protestos de cristãos e organizações religiosas.
Na Europa, seis países já têm leis que restringem esta prática.

O Parlamento holandês aprovou nesta terça-feira (27), apesar da oposição dos
partidos cristãos e das organizações muçulmanas e judaicas, uma lei que proíbe o
sacrifício de animais em rituais.

A proposta foi aprovada com 116 votos a favor e 30 contra, em uma votação
individual e aberta. Normalmente, as decisões são tomadas por grupos
parlamentares em bloco.
O projeto da lei, apresentado pelo Partido para os Animais (que possui duas
cadeiras no Parlamento), estava há meses sendo debatido e havia grupos que
defendiam que a proposta era contrária ao direito constitucional que protege a
liberdade religiosa.

Finalmente, foi feito um acordo graças a uma emenda que permite às
organizações muçulmanas e judaicas realizar sacrifícios caso demonstrem
cientificamente que seu método causa menos dor ao animal do que as formas
“regulares” de sacrifício.

Os partidos cristãos haviam pressionado para que se esperasse pela resposta
dos juízes a um procedimento que associações judaicas e muçulmanas levaram aos
tribunais.

Nesse processo, as organizações religiosas pediam aos juízes que se
pronunciassem sobre a independência de um estudo da Universidade de Wageningen
(leste da Holanda) que sustentava que o sacrifício em rituais causava mais dor
do que o método habitual, que deixa o animal inconsciente antes de matá-lo.

A pesquisa acadêmica foi de grande importância para que a proposta de lei
contasse com a maioria do Parlamento. De acordo com especialistas, cerca de 2
milhões de animais são sacrificados anualmente em rituais na Holanda.

Ao aprovar a lei, a Holanda se soma a Suécia, Noruega, Áustria, Estônia e
Suíça, que também contam com leis que proíbem este tipo de práticas.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Add a Facebook Comment

Deixe uma resposta