Fotógrafa explora inserção de animais na sociedade

A idéia foi espetacular. Provavelmente ela deva ser uma amante dos animais!

(do G1)

Colleen Plumb percorreu os EUA para tentar retratar contradições no
relacionamento de seres humanos com bichos.

Por mais de uma década, a fotógrafa americana Colleen Plumb percorreu o país
retratando situações que mostravam como diferentes tipos de animais estavam
inseridos na sociedade atual.

 

O resultado desse trabalho foi transformado na série Animals are Outside
Today (Animais estão fora hoje, em tradução livre), que reúne mais de 70 imagens
expostas em uma galeria de Miami e em um livro homônimo.

 

Animais inserção 1 (Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman / Colleen Plumb)
A tartaruga acima foi retratada em seu habitat
natural. (Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman / Colleen Plumb)

 

Parte das imagens da série mostra animais vivos, sejam domesticados ou em seu
habitat natural. Mas há também fotos de de animais mortos, usados para
decoração, estudo ou consumo.

 

A fotógrafa explica que sua ideia era a de investigar a afinidade em relação
a alguns bichos e a falta de conexão com outros.

 

Animais inserção 2 (Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman / Colleen Plumb)
A série de fotos conta não só com animais vivos,
mas também com representações como no caso do elefante acima.
(Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman / Colleen Plumb)

 

Animais inserção 3 (Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman / Colleen Plumb)
A fotógrafa norte-americana Colleen Plumb examina
como animais são inseridos na sociedade atual na série ‘Animals
are Outside Today’ (Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman / Colleen Plumb)

 

Animais inserção 5 (Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman / Colleen Plumb)
Animais inserção 5 (Foto: Dina Mitrani e Jen Bekman
/ Colleen Plumb)

Holanda aprova lei que proíbe sacrifício de animais em rituais

Algum dia isso acontece aqui no Brasil também. Apesar de sermos um estado LAICO, existem alternativas já adotadas por vertentes religiosas que substituem os “jurásicos” sacrifícios animais!

(do G1)

Nova regra é alvo de protestos de cristãos e organizações religiosas.
Na Europa, seis países já têm leis que restringem esta prática.

O Parlamento holandês aprovou nesta terça-feira (27), apesar da oposição dos
partidos cristãos e das organizações muçulmanas e judaicas, uma lei que proíbe o
sacrifício de animais em rituais.

A proposta foi aprovada com 116 votos a favor e 30 contra, em uma votação
individual e aberta. Normalmente, as decisões são tomadas por grupos
parlamentares em bloco.
O projeto da lei, apresentado pelo Partido para os Animais (que possui duas
cadeiras no Parlamento), estava há meses sendo debatido e havia grupos que
defendiam que a proposta era contrária ao direito constitucional que protege a
liberdade religiosa.

Finalmente, foi feito um acordo graças a uma emenda que permite às
organizações muçulmanas e judaicas realizar sacrifícios caso demonstrem
cientificamente que seu método causa menos dor ao animal do que as formas
“regulares” de sacrifício.

Os partidos cristãos haviam pressionado para que se esperasse pela resposta
dos juízes a um procedimento que associações judaicas e muçulmanas levaram aos
tribunais.

Nesse processo, as organizações religiosas pediam aos juízes que se
pronunciassem sobre a independência de um estudo da Universidade de Wageningen
(leste da Holanda) que sustentava que o sacrifício em rituais causava mais dor
do que o método habitual, que deixa o animal inconsciente antes de matá-lo.

A pesquisa acadêmica foi de grande importância para que a proposta de lei
contasse com a maioria do Parlamento. De acordo com especialistas, cerca de 2
milhões de animais são sacrificados anualmente em rituais na Holanda.

Ao aprovar a lei, a Holanda se soma a Suécia, Noruega, Áustria, Estônia e
Suíça, que também contam com leis que proíbem este tipo de práticas.

Importante Vitória contra o Rodeio de Japeri

Pessoal,

 

Fui procurado no início do mês por uma querida amiga e protetora (que por medida de segurança não mencionarei o nome), falando-me sobre seu desespero com relação a um Rodeio que iria ocorrer no Municipio de Japeri, em comemoração ao anversário dessa cidade.

Imediatamente me recordei de 2 autoridades que, para mim, são modelo na proteção animal: Dra. Juliana Emerique Amorim (ex-delegada da DPMA, com quem tive a felicidade de trabalhar por mais de 1 ano) e a Exma. Juíza de Direito do 1° JECRIM da Baixada Fluminense, Dra. Rosana Navega Chagas (Valente e competente Magistrado que tanto nos honrou com a melhor sentença já dada em nosso Estado, contra maltratantes de animais, em específico o caso da Fábrica de filhotes de Seropédica).

Dito e feito… nossa amiga, por residir na região da Baixada Fluminense não perdeu tempo… Foi procurar as 2 autoridades mencionadas. Acompanhei de perto, sempre orientando dentro dos meus conhecimentos e dando conselhos. Após os esclarecimentos prestados, partimos para a segunda fase. A Exma. Juíza Rosana Navega oficiou diversas autoridades e notificou a Promotoria Pública que, dentro de suas atribuições legais, notificou o Exmo. Juíz de direito de Japeri, Dr. André Luiz Duarte Coelho, que, dentro de uma decisão espetacularmente fundamentada, respeitando ainda a questão do bem estar animal, PROIBIU a realização do Rodeio mencionado acima. E mais, com multa de MEIO MILHÃO DE REAIS (R$ 500.000,00) por dia em caso de descumprimento da ordem judicial!

Tive a felicidade de receber a notícia diretamente por minha amiga e pela Juíza Rosana, que mais uma vez se colocou à disposição da proteção animal!

Essa é uma ENORME VITÓRIA para a proteção animal do Estado do Rio de Janeiro, para o grupo particular anti-rodeios e para cada um dos defensores dos direitos de animais!

Hoje, certamente vou dormir muito bem, e sonhar com dias em que esse tipo de decisão, sequer seja necessária, mas agradecendo a senssibilidade do judiciário Fluminense!

Os parabéns do Atitude Animal para as autoridades mencionadas e para nossa querida amiga protetora, incansável nos direitos dos animais da Baixada Fluminense!

 

ABAIXO A IMAGEM DO DOCUMENTO DE PROIBIÇÃO

EXCLUSIVO – Conheça a Fazenda da PMERJ e a Polícia Montada por dentro

Olá pessoal,
Hoje eu gostaria de trazer para nossos leitores uma matéria EXCLUSIVA. Conhecendo a Fazenda da Polícia Militar do Rio de Janeiro e o Regimento de Polícia Montada.
Recebi um convite (que prontamente aceitei) de meu amigo e irmão Cel. Delvo Nicodemos Noronha, um dos mais queridos Coronéis da Polícia Militar de nosso Estado, para, com minha familia, visitarmos a Fazenda Marambaia e o RPMONT em Campo Grande.
Chegamos no Domingo, por volta das 20:00h e, já em área militar, fomos recebidos por um grupo de corujas boraqueiras que,

Mesmo com tempo nublado, já dava prá ver como era belo o lugar

confiantes na área de proteção ambiental, se agrupavam por toda a estrada que dá acesso direto a Fazenda. Um destaque para as placas ao longo do caminho, com avisos de área protegida e informando sobre as consequências de caça ou captura de animais.
A chuva começava a caír e a escuridão da lua minguante não nos permitiam ter uma real dimensão desse PARAÍSO preservado em plena área urbana do Rio de Janeiro. Sentimos o ar puro e a mudança do clima, tal qual estivessemos em outra cidade serrana, tal qual Teresópolis ou Petrópolis.
Só pudemos nos admirar com a beleza do lugar, e mesmo nos surpreender, com a alvorada! O dia surgiu nublado na segunda feira, mas já nos permitia ter uma visão ampla da vasta área preservada de mata atlântica da região, que fica num vale, cercado de montanhas de mata fechada.

A preservação da mata Atlântica do local é enorme

A Fazenda Marambaia é uma das fazendas da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro desde a década de 1960, administrada por oficial PEMERJ e extremamente bem cuidada. A preocupação do Capitão Defasari (administrador)é vista em cada canto da Fazenda, desde sua manutenção até a preocupação ambiental do local.
Além da área de mata atlântica preservada, a fazenda conta com muitos animais, piscinas, playground, campo de futebol, salão de jogos, sala de televisão, salão de festas, quadra de vôlei e lagoa com direito até a pedalinho.
Depois de um farto café da manhã, resolvi explorar a fazenda, tendo uma surpresa depois da outra. Lá encontrei animais domésticos e silvestres convivendo em perfeita harmonia. Garças, inúmeras qualidades de pássaros de todos os tamanhos convivendo com gansos e patos…além de macacos, cobras e (dizem) até uma espécie de “lobo” que já virou lenda no local.

Eduarda se misturando a natureza

Logo depois do almoço (ou rancho, como preferirem), servido impecávelmente às 13:00h (afinal, como eu disse, é uma área militar) foi a hora de visitarmos o RPMONT (Regimento CEL PM Enyr Cony dos Santos ), que ficou muito famoso desde o triste caso do cavalo “Queimadinho”, por ter sido o Regimento a resgatar e cuidar do animal, dando uma sobrevida ao cavalo vítima de maus tratos.
A natureza "grita" no meio da Cidade!

Lago Fazenda Marambaia

Dudu e os porquinhos

O RPMONT tornou-se um regimento autônomo, seprando-se do Batalão de PM há apenas 2 anos.
Através do decreto “E” nº 2.920, de 06 de agosto de 1969, foi então criado o 2º Regimento de Cavalaria. A Unidade foi alojada, provisoriamente, na Sede da Administração Regional de Campo Grande, tendo como Comandante o Cel PM Enyr Cony dos Santos, que nostalgicamente apelidou o Regimento de “O Magnífico”!
Placa fundamental do RPMONT
Em 02 de fevereiro de 1977, sob o Comando do saudoso Cel PM Rebouças, a Unidade passou a se chamar Regimento de Polícia Montada e, em 31 de março de 1977, transferiu-se para as atuais instalações.
Em 13 de junho de 1996, esta unidade veio a receber o nome atual de Regimento de Polícia Montada “Coronel Enyr Cony dos Santos” como forma de justa homenagem ao seu primeiro Comandante, o qual até hoje é lembrado pela sociedade da Zona Oeste do nosso Estado por seus feitos.
Os policiais militares, quando em serviço, são conhecidos como “abas-largas de Campo Grande” dada a peculiaridade do uniforme utilizado.
O RCECS já foi responsável pelo Policiamento Ostensivo de uma área de 295 quilômetros quadrados, com uma população de aproximadamente 675.000 habitantes onde executava além do Policiamento Ostensivo Geral Montado, Policiamento à pé nos Centros Comerciais desta Área de Policiamento, Policiamento de Trânsito e Policiamento Motorizado.
Em 23 de setembro de 2009, o RCECS tornou-se Unidade tipicamente Especializada mantendo seu apoio a todas as áreas do Estado do Rio de Janeiro em Áreas Turísticas como Aterro do Flamengo, Ilha de Paquetá, Quinta da Boa Vista, Eventos de Grande Porte quais sejam Jogos em Estádios de Futebol, Exposições Agropecuárias, Mega Shows, Carnaval e Reveillon, Grandes Manifestações Populares e Distúrbios Civis.
O RCECS, além do Policiamento Ostensivo Montado, realiza Escoltas a Cavalo, Guarda Lanceiros e atividades de cunho sócio-comunitário como a Equoterapia que atende a crianças portadoras de necessidades especiais, dependentes dos policiais militares e oriundas da Sociedade Civil com baixa disponibilidade de recursos.
Conhecidos como os “Abas Largas de Campo Grande”, pelo uso de seu uniforme característico, o Regimento, como Unidade Operacional Especial responsável pela atividade de Polícia Montada, apóia várias Unidades Operacionais em missões de policiamento ostensivo montado, policiamento em grandes eventos, e atuando como tropa de choque montada, cumprindo sua árdua e nobre missão de preservar a ordem pública, e honrando o antigo ditado: “haverá sempre uma Cavalaria”.
Desta forma verifica-se que a TROPA MONTADA se contitui de uma das mais ostensivas formas de Policiamento dada posição de destaque conferida ao policial militar cavaleiro e o porte físico avantajado do cavalo.

Esq- Záira, Cel. Delvo, Ten.Cel Muniz e eu, em frente a sede do RPMONT

Fomos recepcionados pelo simpático e competente sub-comandante, Ten Cel PM Edson Muniz Ferreira, já que o Comandante do RPMONT, Ten Cel PM José Artur Samaha de Carvalho encontrava-se em viagem.
Mais uma vez nos admiramos com a conservação, limpeza, organização e, principalmente com a dedicação dos militares do RPMONT com os animais do local. E não falo só sobre os cavalos, o que seria óbvio. existem grupos de cães SRD que são cuidados pela equipe de veterinários do local. Cada um deles sofreu algum tipo de perda. Existiam cães sem orelhas, sem pata, cegos… mas todos muito bem cuidados, convivendo com os veterinários, respeitados pelas guarnições e felizes e alimentados. Destaque para um cãozinho paraplégico, que anda fazendo um verdadeiro malabarismo apenas sobre as patas da frente, e que ainda por cima, tornou-se líder da matilha.
Para quem não sabe, além do competente e necessário trabalho da cavalaria da PMERJ, nesse regimento existe um trabalho social ESPETACULAR. É a Equoterapia.
A Equoterapia é um método terapêutico que utiliza o cavalo numa abordagem interdisciplinar na área de educação, saúde e equitação, para pessoas com deficiência, buscando melhorias significativas no aspécto físico, psicológico, emocional, cognitivo, biopsicossocial, entre outros. Obtendo resultados benéficos de até 80% no convívio social.
Atualmente o RPMONT desenvolve esse trabalho com 50 crianças, e tem em sua lista de espera mais de 150 outras. O mais momento em que os dedicados Vet´s faziam procedimento para acabar com cólicas numa égualouvável é que esse trabalho é todo feito de forma VOLUNTÁRIA e sem NENHUMA AJUDA DO GOVERNO. Ou seja, uma iniciativa particular dos Militares desse Regimento.
Atualmente, através de doações da iniciativa privada, encontra-se em construção um ambulatório, com sala de consultas e recepção, visando ampliar esse belo trabalho do RPMONT.
A dedicação desses profissionais, amantes dos animais, especializados, humanos (no sentido mais positivo da palavra), merece todo destaque do ATITUDE ANIMAL e mais, meu horgulho pessoal de poder contar com esse regimento em meu Estado.
Parabéns RPMONT, parabéns fazenda Marambaia, parabéns a todos os Militares da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, pertencentes a esses 2 exemplos de seriedade, competência e ambientalismo!
Veja mais algumas fotos (para quem se pergunta onde está a Eduarda nas fotos??? Enlouquecida com os cavalos do RPMONT)

baia onde ficava o famosos "Queimadinho"

Eliane também estava lá!

picadeiro coberto

Quem se lembra do BIONICÃO?

Primeiro cachorro do mundo a ganhar próteses é americano

Muito legal!

Finalmente começam com uma preocupação real e a demonstrar que animais não são objetos… em tempos passados, o sacrifício do animalzinho seria a solução encontrada!

Parabéns aos idealizadores da prótese, aos que se preocuparam com o cão e ao cãozinho, que agora, pode andar de novo!

(do R7)

Animal teve as pernas amputadas depois de ser resgatado de lago congelado

O “bionicão”, como foi apelidado, é o primeiro cachorro do mundo a receber próteses. Ele vive nos Estados Unidos e, ao ganhar as patas mecânicas, não perdeu tempo: mesmo desajeitado, saiu brincando no jardim.

O dono encontrou o animal em um abrigo, já com as quatro patas amputadas. O animal havia sido resgatado de um lago congelado.

O apelido do pet é inspirado no personagem de desenho animado de mesmo nome dos anos 1970, produzido por Hanna-Barbera.

Assista ao vídeo:

 

 

Será que vão calar a nossa boca?

Então pessoal, conforme o convite abaixo, a Câmara dos vereadores do Município do Rj estará promovendo um encontro nessa semana, para discutir os problemas dos animais cariocas.

A pergunta que fica é: Será mais uma daquelas reuniões onde se promete, as autoridades se esquivam e acaba-se não resolvendo nada… será que vão REALMENTE nos permitir a falar?

Porque, se permitirem, eu tenho MUITO a falar, até porque, já vivenciei os problemas pelos três ângulos do problema…

Através da autoridade pública, do terceiro setor e de forma individual!

Bom, eu DUVIDO que me deixem falar… mas se deixarem…

Vamos tentar? Quem topa ir?

Baleia fica presa em rede de pescadores na África do Sul

Tô de saco cheio de ver o homem invadir o território das Baleias, causando mudança de rotas migratórias, trazendo milhares de encalhes e suicídios desses maravilhosos animais!

(do R7)

Carters

Uma baleia de dezenas de toneladas ficou presa na rede de pescadores sul-africanos na última terça-feira (20), na Cidade do Cabo (África do Sul).

A baleia-jubarte se debateu por horas até ser libertada por uma equipe de especialistas, chamada às pressas ao local.

Ela ficou enrolada nas cordas, nas redes e nas boias de flutuação usada pelos pescadores.

Mike Meyer, um membro da equipe, contou que a baleia de cerca de 11 m tinha praticamente o tamanho do barco dos pescadores.

Segundo Meyer, o animal, que estava ferido, parecia estar cansado quando a equipe chegou ao local, a pouco mais de 3 km da costa.

– Durante a operação, duas baleias adultas apareceram e pareciam estar dando incentivo à jubarte, enquanto nossos membros tentavam cortar a corda e as redes.

Após horas de operação, a equipe finalmente conseguiu libertar a baleia, que saiu nadando junto com as outras, que esperavam por ela.

Pinguins são encontrados mortos em praia no RS

Pessoal… e nem começou ainda… Imaginem com a exploração a todo vapor do Pré-Sal?
Primeiro que essas empresas petrolíferas (como a nossa “querida Petrobrás”, talvez a maior poluidora Nacional) deveriam ser perfeitas na questão ambiental… mas acabam sendo as maiores vilãs e, normalmente escapam com uma multinha de “cala a boca”.

E nossos governos? Não deveriam ter planos de contingência, que inclusive contemplassem o salvamento da vida marinha em caso de derrame de petróleo?
Mas chega a ser ridículo esperar algo em relação a animais, de governos que calam a boca do povo com salários “isso e aquilo”, ao invés de praticarem verdadeiras políticas sociais.

Ainda bem que existem organizações do 3º setor que, através de seus abnegados membros, acabam por tomar as responsabilidades de governos omissos e, fazendo das tripas o coração, acabam conseguindo realizar um trabalho, não o ideal, mas que faz toda a diferença para cada animal salvo nessas catástrofes.

Tenho muito horgulho de pertencer a SEA SHEPHERD e de ser um dos voluntários Fluminenses que se qualificou através do curso de resgate de animais marinhos nesses casos.

Yo ho Sea Shepherds!!!

(do R7)

Mais de cem pinguins foram encontrados mortos e cobertos de óleo em uma praia no litoral gaúcho. Ainda não se sabe a causa das mortes. Os moradores ficaram impressionados com a quantidade de animais mortos. A Patrulha Ambiental procura os responsáveis pelos vazamentos.