Cães da PM que morreram em serviço são cremados com honras em BH

Em memória a esses bravos defensores da Lei.

Apesar de não escolherem essa “profissão”, do treinamento puxado, da dedicação “canina” a instituição policial, sempre nos choca uma notícia como essa.

Que esses bravos heróis não sejam esquecidos e que permaneçam na memória de cada policial militar do Estado de Minas Gerais!

Um Guerreiro não morre nunca, apenas adormece! Durmam bem Lyon e Dox!

 

(do G1)

Esta foi a primeira vez que a PM de Minas realizou uma cremação de cães.
Polícia quer criar uma galeria de heróis.

Dois cães policiais, que morreram durante uma operação policial em Ribeirão das Neves, na Grande BH, foram cremados na manhã desta sexta-feira (20). A cerimônia contou com a presença de dezenas de militares da 1ª Companhia de Missões Especiais, de Contagem. Os cachorros, da raça pastor alemão, Lyon e Dox receberam honras militares por morrer em serviço. Eles foram baleados por criminosos durante uma fuga.

Cães mortos em serviço são cremados com honras militares em Minas. (Foto: Heloísa Mendonça)
Os cães Lyon e Dox foram cremados com honras militares
em Minas. (Foto: Heloísa Mendonça/G1)

Segundo a polícia, os cães são treinados desde filhotes para o cargo e são considerados oficiais da PM. Cada animal possui um condutor, um militar que se torna o companheiro do cachorro.

Um dos oficiais mais comovidos na cerimônia era o condutor do cachorro Lyon, há três anos, sargento Wellys Lucindo. Ele não conseguiu conter as lágrimas na hora da despedida. “É a mesma coisa que perder um familiar. Sabemos que eles são treinados para isso, que são como kamikazes, mas não estamos preparados para perdê-los”. Durante a cerimônia, Wellys relembrou com os companheiros o ótimo desempenho do cão em várias operações.

Cães mortos em serviço são cremados com honras militares em Minas. (Foto: Heloísa Mendonça/G1 MG)
Militares da 1ª Companhia de Missões Especiais, de
Contagem, fizeram uma homenagem aos cães.
(Foto: Heloísa Mendonça/G1 MG)

O subtenente Edmar Geraldo dos Santos explicou que eles precisam ser homenageados já que morreram no lugar dos policiais. “Todo o treinamento do cão é para preservar a vida do policial e do bandido. Os animais são treinados para atingir pontos não vitais. Eles apenas imobilizam um suspeito até que um policial possa efetuar a prisão”, disse.

Está foi a primeira vez que a PM de Minas realizou uma cremação de cachorros. Segundo a polícia, antes, os animais eram enterrados em um cemitério. De acordo com o subtenente Edmar, a idéia agora é criar uma galeria de heróis. “Todo cão que morrer no embate será cremado e as cinzas serão guardadas em um mesmo local”, afirmou.

O veterinário Fernando Pinto Pinheiro, que cuidava dos animais, disse que Dox já estava se preparando para a “aposentadoria”. “Os cães têm um período de oito anos de serviço policial, mas como o Dox estava com um problema articular, com uma displasia femoral, mesmo sem completar todo o serviço, ele seria retirado da atividade. Independentemente do que ele produz de benefício, o que importa é a saúde”, disse.

As cinzas dos cachorros foram levadas para o canil onde eles moravam. Depois da cerimônia, os policias seguiram para a Companhia de Missões Especiais para uma solenidade em homenagem aos cães.

Caso
Os dois animais foram mortos nesta terça-feira (17) durante uma perseguição a quatro homens suspeitos de manter uma família refém em Sete Lagoas. Os criminosos fugiram e dois deles se esconderam em um lago em Ribeirão das Neves. Um dos suspeitos foi descoberto pelos cachorros. Logo em seguida, outro criminoso baleou os animais. Dois homens foram presos na operação policial, e outros dois continuam foragidos. De acordo com a PM, as investigações estão em curso.

 

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Add a Facebook Comment

Deixe uma resposta