Resgate emocionante do Aurélio

Então pessoal…

Hoje às 9:30 da matina, fui chamado pela Renata do G.A.R.R.A para ajudar num resgate complicado lá em Petrópolis.

Como sempre, e como sempre será, jamais vou negar um pedido da Renata, que tanto faz pelos animais e que a cada dia demonstra que o G.A.R.R.A e todos seus voluntários são “Amigos de Atitude”!

Tratava-se de um Rottweiler que, segundo os vizinhos, estaria abandonado no que parecia um dia ter sido uma oficina, ou um lava a jato, num bairro de Petrópolis.

Bom, o resgate parecia complicado por várias razões… primeiro por ser um cão de grande porte e que, pelo que diziam, estaria abandonado desde as últimas enchentes da região Serrana. Todos nós que lidamos com animais sabemos que, um animal abandonado por um longo período, com fome, sem o contato com outros da espécie ou com humanos, tende a tornar-se anti-social… culpa de quem o negligenciou, nunca do animal. A índole de um animal está diretamente ligada a quem o educa, a convivência que tem…Depois
por tratar-se de uma propriedade particular.

Como quem tem medo de tempo ruim não sai na chuva, partimos para Petrópolis para ajudar as meninas no que fosse possível.

Chegando a Petrópolis, tive o prazer de conhecer a MATILHA da Renata… cada cão mais lindo que o outro… De cara foi difícil escolher em qual fazer festinha, qual jogar a bolinha… todos muito felizes e sociáveis… daí reafirmo que a criação faz a índole!

Partimos para a delegacia, com a indicação de procurar o Dr. Marcelo, titular da 105DP. Ao chegar, fomos informados que ele estaria almoçando e por coincidência, acabamos indo almoçar no mesmo lugar… Bom, deixamos o Dr. almoçar, é claro… vai que o “homem” fica de mau humor com fome? Ao menos eu fico!

Depois do almoço, fomo ÓTIMAMENTE atendidos pelo Delegado que imediatamente registrou o termo circunstanciado baseado na Lei 9605/98 art. 32 e, por tratar-se de flagrante, dispensou a necessidade de mandado de busca e apreensão… Lidar com quem conhece a Lei é outra história. O Delpol solicitou a presença de um perito criminal (afinal seria necessário arrombar o portão que dava acesso ao terreno) e pediu que a equipe de policiais que nos acompanharia ficasse de protindão.

Nesse meio tempo, tivemos o prazer de conhecer uma cadela que fica na Delegacia… uma das coisas mais lindas que já vi na vida… Qual não foi nossa surpresa quando percebemos que ela trazia na boca uma pedrinha minúscula, que ela soltava aos meus pés e ficava me olhando… ela queria brincar… Eu jogava a pedrinha e ela pegava no ar. A Renata ficou abismada e encantada e começamos a brincar com essa cadelinha maravilhosa que, na mesma hora, ganhou o apelido de INSPETORA. Em carro de resgatista não pode faltar 3 itens NUNCA: Petiscos, uma corda de resgate e brinquedo. A INSPETORA imediatamente ganhou uma bolinha… e foram centenas de lançamentos prá ela, que largava a bolinha perto dos meus pés e corria prá longe, logo olhando para o meu rosto e pedindo prá jogar para ela.

Chegou o perito! Hora de nos despedirmos da INSPETORA, mas com o coração partido. É certo que ela é MUITO bem tratada pelos policiais da DP, tem recipiente de água fresca e ração dentro da Delegacia. Mas certamente seria bem mais feliz numa casa, com um dono amoroso que pudesse sempre “jogar a bolinha” para ela.

Partimos para o local do resgate. Chegando, logo fomos nos socializar com o Rott pelo buraquinho do muro. A história desse cão é muito triste… foi contada pelos vizinhos e por um rapaz chamado Romário de 14 anos que, algumas semanas antes, temendo que o cão estivesse morto (na época era só pelo, pele e ossos), pulou o muro e chegando perto do cão desfalecido (provavelmente por hipoglicemia) esfregou comida no focinho, deu comida na boca até que o cão manifestasse alguma reação. Depois disso, movimentou a vizinhança (ou parte dela, já que alguns ameaçavam envenenar o animal)para se revezarem no ato de “jogar” comida para o cão.

Policiais prontos! Arrombaram o portão e, eu, Renata e Adriana entramos no terreno. Adriana e Renata seguiram com petiscos e a corda de resgate e eu, na intenção de documentar os maus tratos, com a câmera na mão(assim que a Renata me passar, posto aqui o vídeo que fiz e vocês vão ficar horrorizados)…

Claro que nosso querido Aurélio partiu correndo em nossa direção e também claro que tinha que me escolher como “mira”… Imaginem o que passou pela minha cabeça nessa hora? Impressionante como nosso cérebro trabalha rápido nessas horas… Pensei: -“F%$#&;”, isso mesmo que vocês entenderam! Pela segunda vez na minha vida (a primeira foi quando fui atropelado há 2 anos)um filme de toda a minha vida passou pela minha cabeça. Inclusive meu funeral hipotético! Mas também passou pela minha cabeça um pouco da experiência com o trato de cães (principalmente os de grande porte) com os quais convivo desde que me entendo como gente… “Você tem que manter uma atitude positiva, sem medo (até parece que é fácil) e fingindo que nem está ali… sem dar atenção aquele “trem” feito de pelos e dentes!”

Bom, ele chegou e… cheirou, me olhou de cima a baixo e… balançou o rabinho! Pronto, o Aurélio era SUPER do bem! Nessa mesma hora a Renata e a Adriana laçaram uma por cada lado o Aurélio… e aí, tava tudo dominado! Uma com petisco, a outra com o laço e o Aurélio literalmente levando a Adriana prá passear! RS**

O melhor foi a cara dos policiais (de longe é claro) vendo nós 3 saindo do terreno com o Aurélio, como se fosse um poodle e não um Rott cuja a cabeça dá 2 da minha… Cada um com seu metier, não é mesmo?

Depois de uma perícia dos policiais (para garantir a legalidade da operação), voltamos para o centro da cidade… Renata dirigindo, Adriana no Banco da frente e eu, sendo babado, lambido e tendo que brincar de jogar a bolinha (dentro do carro) com o Aurélio, que de forma “safada” largava a bola no banco e, aí de mim se não jogasse de volta!

Muitas babadas, lambidas e fuçadas depois, chegamos a casa da Renata, peguei meu carro e começamos nossa decida para o Rio.

Bom, para terminar essa história, chegamos a veterinária aqui na Ilha, fomos super bem atendidos por todos que já nos esperavam. O Laudo veterinário que será anexado ao processo está sendo feito, o Aurélio vai fazer exame de sangue, tomar banho, fazer pré-operatório e será castrado.

Enquanto isso tudo acontece, vou ficar indo até a Vet para passear com ele diariamente, ou melhor, para ele me levar para passear (que já tentou segurar um Rott, mesmo debilitado sabe)… afinal, é mais um que me conquistou…

Inicialmente ele parece estar bem (dentro do mínimo que se pode inicialmente avaliar), mas, provavelmente está com plaquetas baixas, desnutrido, com problemas de pele e com vermes (na melhor das hipóteses), mas saberemos melhor amanhã, após o banho e o resultado do hemograma.

A única coisa que me REVOLTOU foi que, quando chegamos na VET, a Adriana recebeu uma ligação (e para ser mais irritante foi a cobrar) do “dono” do cão, afirmando que estaria internado há 1 mês e que teria pedido ao padrasto para cuidar do cão, mas que teria descoberto apenas hoje que seu pedido não tinha sido aceito, e que por isso o cão estava maltratado. Queria o animal de volta! Ele que se entenda com a polícia e com a JUSTIÇA!

Bom, fico por aqui com algumas fotos e na promessa de publicar mais algumas e o filme, que ainda estão com a Renata!

Mais um resgate perfeito, provando que quando agimos dentro da Lei, e de forma planejada, tudo só pode dar certo!

Parabéns mais uma vez ao G.A.R.R.A que tem sido a cada dia, mais e mais um exemplo de ATITUDE ANIMAL!

 

 

 

 

 

 

 

 

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Add a Facebook Comment

5 respostas para Resgate emocionante do Aurélio

  1. Pingback:G.A.R.R.A. » Aurélio, rotweiller resgatado com a ajuda da polícia.

  2. Como uma maioria de vcs sabe, ontem resgatamos o Aurélio, um Rottweiler MARAVILHOSO, que sofreu muito, mas mesmo assim, continuou com uma índole espetacular.
    Em vista das dezenas de resgates do G.A.R.R.A, eles estão numa situação muito difícil, e precisam de nossa ajuda, do contrário, muitos animais vão continuar sofrendo, pois em algum momento os salvamentos se tornarão impossíveis, afinal o G.A.R.R.A vive da doação de amigos e particularmente do bolso de seus próprios voluntários.
    Entáo, venho aqui com o “chapéu na mão” literalmente, pedir aos que puderem ajudar, com qualquer valor, que o faça nesse momento crítico.
    Precisamos de doações particularmente para o Aurélio. Então, apadrinhe um pedacinho desse Rott maravilhoso… Um rabinho, uma orelha, uma pata… Ou eja, se todos nós nos unirmos, conseguiremos deixar esse amigão intiro novamente!
    Juntos somos muito fortes, por pouco que cada um possa doar.

    Banco do Brasil
    Agência: 4059-2
    Conta Corrente: 14994-2
    Adriana de Oliveira Neves

    Banco Itaú 341
    Agência: 0598
    Conta Corrente: 47041-7
    Renata da Silva Prieto

    Tenho certeza de que juntos vamos fazer a diferença, afinal, temos ATITUDE ANIMAL!
    Muito obrigado!

  3. Flavia G diz:

    Incrível, o coitadinho do Rott estava mal há um tempão e o dono “não sabia”… Ele é retirado e o irresponsável fica sabendo no mesmo dia?
    É muita cara de pau, tinha q no mínimo levar uma multa pesada prá não chegar mais perto de cachorro.
    Tem chance do infeliz pegar o cão de volta?
    O dono não vai sofrer nenhuma pena?

  4. Fla,
    Em princípio, não sabíamos o nome do dono, por isso o registro foi feito sem autoria.
    É claro que a polícia vai descobrir.
    Quanto a penas e multas, isso compete ao judiciário…vamos aguardar. O mais importante é que o Aurélio está ótimo!

  5. Marcia Rodrigues diz:

    Que meninão maravilhoso!
    A cada dia você conquista mais admiração minha pela dedicação aos animais. É uma honra ser sua “comadre” e Melinho ter você como um dindo!
    Outro dia assisti a um programa americano de resgate de animais negligenciados por seus donos e a história se repete com Aurélio. O dono justificou o abandono de uma pit bebê alegando ter passado dias internado e passado a responsabilidade dos cuidados da bebê a um amigo a quem teria, inclusive pago. Entretanto, não tinha os registros no hospital, o deposito do pagamento ao pobre do amigo que nem sabia de nada mas teve o nome envolvido na trama, enfim. Adorei vê-lo ser algemado e levado em “cana”. A pit foi adotada por uma família maravilhosa!
    Espero, torço e rezo para que o mesmo aconteça com Aurélio!

Deixe uma resposta