No Japão parou, mas centenas de baleias são trucidadas na Noruega

É impressionante que, nos dias de hoje, com todo o avanço tecnológico que temos, algumas práticas medievais de sadismo, ainda sejam praticadas em nome, pasmen, da CULTURA!

Se isso é cultura, prefiro comtinuar um imbecil!

Post original de:http://moglobo.globo.com/blogs/blog.asp?blg=imensidao&p=2

Traduzido e adaptado por Paulo Guilherme Pingüim
Por Joanna Toole
A controversa matança anual das baleias na Noruega começa mais uma vez. Joanna Toole demonstra as evidências de que a prática é cruel, desnecessária e cada vez mais impopular.
Começou dia 1° o início oficial da temporada de caça às baleias na Noruega. A Noruega é um dos três países desafiando a proibição internacional de 1986 sobre a caça comercial. Esta moratória sobre a caça à baleia foi implementada por uma maioria qualificada dos Estados membros da Comissão Baleeira Internacional (CBI), para tentar pôr fim a uma prática de caça, que está levando a extinção de várias espécies de baleias.
Apesar da oposição internacional, a Noruega retomou a caça comercial em 1993 e desde então matou mais de 9.500 baleias. Este ano, 1.286 baleias minke sociáveis ​​e sensíveis são destinados a morrer nas águas norueguesas na época de caça que decorre entre Abril e Agosto.
Durante anos, a Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA) tem trabalhado ao lado de grupos bem-estar animal na Noruega, para ajudar a aumentar a pressão sobre o governo norueguês para pôr fim a esta prática cruel, ultrapassada e desnecessária. Até agora tem sido difícil chegar até os funcionários do governo no território de origem norueguesa na CBI. Foi esclarecido pelo governo norueguês, que o argumento da atividade baleeira de “apenas por ser cruel” não é motivo suficiente para pôr um fim à caça.

A diminuição de apoio
No entanto, na próxima semana WSPA e as organizações norueguesas Dyrebeskyttelsen Norge e Noé – para Dyrs Rettigheter vão lançar novos elementos de prova que demonstramo apoio público para a caça à baleia na Noruega está diminuindo, que o apetite por carne de baleia norueguesa está em um nível mais baixo e, como conseqüência a indústria está lutando para sobreviver. A diminuição da rentabilidade da indústria já é reconhecida por baleeiros e do governo norueguês, os últimos anos viram diminuir as capturas e menos pessoas e embarcações envolvidas nas caçadas.
O novo relatório visa revelar a verdadeira dimensão da situação e demonstrar porque o governo precisa agir. Todos os três grupos querem que o governo norueguês adote um duro olhar para os números e questione a lógica de manter uma indústria que não é só já está em declínio, mas também tem perdido o apoio público.
O descontentamento popular ficou claro quando os três grupos foram às ruas de Oslo no ano passado para ter uma ideia da mentalidade norueguês. O feedback demonstrou a mudança de atitudes dos noruegueses para caça. Adicionando a isso, o aspecto do bem-estar animal da caça à baleia é mais evidente do que nunca.

Baleeiros noruegueses caçam baleias minke, que matam com arpões pentrita, uma tecnologia que pouco mudou em mais de 100 anos. No entanto uma grande variedade de fatores, incluindo a visibilidade, as ondas e os movimentos do barco e da baleia tornam impossível até mesmo para o mais experiente dos baleeiros assegurar um disparo preciso o suficiente para matar a baleia imediatamente. Os dados oficiais do governo norueguês mostra que pelo menos uma em cada cinco baleias não morrem imediatamente e, portanto, sofre uma morte longa e angustiante.
Provas por investigação secreta.
Em 2010, uma investigação secreta, realizada pela WSPA, Dyrebeskyttelsen Norge e Noé – para Dyrs Rettigheter, registrou imagens de uma baleia minke sendo arpoada por um navio baleeiro norueguês e a posterior falha dos caçadores para garantir que ela fosse morta em menos de 22 minutos.
A condenação da caça às baleias é universal. No ano passado, mais de 101 000 pessoas em todo o mundo assinaram uma petição dirigida ao primeiro-ministro norueguês, pedindo-lhe para pôr fim ao sofrimento das baleias. No entanto, apesar desta preocupação crescente, inclusive entre os noruegueses, o governo ainda está ´permitindo e emitindo quotas de caça para as baleias a cada ano. Já é tempo de o governo norueguês ouvir a população norueguesa, pensar sobre a reputação da Noruega e tomar medidas para tornar a indústria baleeira uma coisa do passado.

Joanna Toole é uma coordenadora da campanha de oceanos em WSPA

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Add a Facebook Comment

Uma resposta para No Japão parou, mas centenas de baleias são trucidadas na Noruega

  1. Flavia G diz:

    E os massacres das baleias e golfinhos na ilha Faroe, na Dinamarca?
    Tem coisas q não cabem mais no mundo de hoje!

    (Sem falar na estupidez com os bebês-focas no canadá…)

Deixe uma resposta